Video aquário recife 2013

Venho aqui trazer um pequeno update…
Depois da introdução de biopellets e alguns elementos de zeovit temos vindo a melhorar as cores do Reef…
Ainda não está como quero mas para lá caminha…esperemos que com tranquilidade consiga baixar um pouco mais os fosfatos e os nitratos que estao agora pelos 0,18 e 4, respectivamente!!

banner_ReefCentral

E deixo também um pequeno video…já que a qualidade da foto não é das melhores…foi com um tablet…mas já dá para ver melhor…

Com a redução de fosfatos e nitratos, à custa de biopellets e zeovit, temos conseguido melhores cores e crescimentos, mas a introdução de live phytoplankton tb se revelou muito importante!! Para já tenho conseguido manter sps e lps bastante felizes…um equilíbrio difícil…a ver vamos! Mas aquário s como o do Pedro Gomes demonstram que é possível…!!

Por fim a haddoni que tinha acabou por desaparecer…não morreu…foi diminuindo de tamanho aos poucos até ficar pequenissima…talvez tenha chegado ao fim do tempo de vida… tive-a 3 anos e meio!

Envio e transporte de corais

O transporte dos seres vivos de um Reef é um dos momentos mais delicados…Quer seja dos seus locais de colecta como das ilhas do Pacífico (Japão, Indonésia) ou das do Atlântico (Barbados, Republica Dominicana) para o distribuidor quer seja da loja até à nossa casa!! Assim 2 parâmetros são essenciais para que o transporte ocorra com sucesso:o nível de oxigénio na água e a temperatura da água!

Dois tipos de transporte devem ser distinguidos! O transporte de corais e o transporte de peixes/invertebrados. No transporte de corais o parâmetro temperatura é o mais importante a tentar manter, enquanto que no transporte de peixes, para além da temperatura também tem de haver uma grande disponibilidade de oxigénio.

O transporte entre continentes dos locais de colecta,nas ilhas paradisíacas, até às lojas, por exemplo na  Europa é feito por avião em que os vivos (peixes e corais) vêm em grandes caixas de esferovite! Estas caixas de esferovite permitem absorver pequenos choques físicos, mas sobretudo preservam a temperatura da água onde os vivos vão! Os vivos dentro das caixas vão dentro de sacos, individualmente, para não haver guerra química entre eles e não haver consumo excessivo de oxigénio. Estes sacos levam uma boa quantidade de água e outra boa quantidade de ar ou oxigénio (de botija), dependendo se é um coral ou peixe, respectivamente. Estes transportes inter-continentais costumam demorar entre 24-48h, até chegarem à empresa importadora que os irá aclimatar de novo em aquários! Muitas vezes, dependendo da altura do ano, poderá colocar-se alguns pequenos sacos térmicos, que têm dentro alguns quimicos que reagem e libertam calor de uma forma controlada, ajudando assim que a temperatura dentro da caixa de mantenha durante mais tempo adequada (sobretudo no Inverno em países muito frios)!

Assim, quando estamos a transportar animais da loja onde compramos o ser vivo para nossa casa devemos ter em atenção estes 2 parâmetros: temperatura e oxigenio. Para tal devemos recorrer, se possível, às tais caixas de esferovite, pois são a melhor solução e a que nos garante que o ser vivo chega nas melhores condições a casa…pronto para a aclimatização a um ambiente totalmente novo…que representa um stress e desafio enorme para o ser vivo!!

Caso tal não seja possível…o ideal é usar uma caixa de papelão, cheia de papeis de jornal, bem como embrulhar, na medida do possível, o saco de plastico onde esta o ser vivo na água! Estas regras terão de ser ainda mais rigorosas no Inverno…pois a temperatura expterior é muito mais baixa que a temperatura da água! No Verão é mais facil e até se deve ter o cuidado para nao deixar sobreaquecer…como deixar a caixa com o ser vivo num local muito quente como num automóvel ao sol, por exemplo…

Aquário Vasco da Gama

Em destaque

Recentemente visitei o velhinho Aquário Vasco da Gama em Algés (Lisboa) fundado pelo Rei Don Carlos que era uma enorme aficionado pela vida marinha e é um dos mais antigos aquários do mundo, inaugurado em 1898.

Os preços sao convidativos e mantêm os animais em muito boas condições. Hoje em dia  e desde que foi inaugurado o Oceanário no Parque das Nações o Aquário Vasco da Gama tem perdido visibilidade por isso recomendo que visitem, é diferente do Oceanário.

Fica galeria de imagens:

Erros/Lições dos ultimos 3 anos de Reef

Em destaque

Nunca usar GFO na quantidade anunciada pela marca

seja pelo facto de diminuir os niveis de fosfatos bruscamente ou de libertar ferro, a entrada de GFO provoca RTN em calendriuns/pocciloporas… – No nosso caso o uso de GFO, mesmo em quantidades muito pequenas parece provocar sempre esse efeito inicial… (perdi algumas calendrium, histrix e poccilopora à conta disso)…apos retirar o GFO e algumas TPAS o rtn fica restringido às colonias que começaram!!

Ter sempre medidores de valores de 2 marcas

Porque? Porque há sempre variações entre marcas e nunca sabemos qual é o mais acertado, mas sobretudo porque nos podemos deparar com um teste estragado ou não funcional, sem sabermos!! Foi o que nos aconteceu…Durante meses os nossos nitratos supostamente estariam a 1-2ppm…mas quando trocamos por reagentes novos descobrimos que afinal os nitratos estavam a 30 ppm… Passei a ter medidores de 2 marcas que vou alternando ou meço os valores como controlo do sal que faço, da Red Sea, que sei os valores que é suposto ter de todos os parâmetros!

Não usar UV 24/24h …

apesar de ser util para a manutenção dos peixes saudáveis e livres de doenças, parece ser prejudicial ao corais, SPS e LPS, pelo facto de matar muitas bacterias que supostamente serão alimentos deles! Penso que a nossa experiência também nos demonstrou isto ao longo destes anos!  Achoq eu convém na mesma ter UV para evitar surtos de doenças que se podem tornar fatais para todos os peixes, mas o ideal é ligar 24h quando entram peixes novos durante 1 semana e depois reduzir para apenas algumas horas por dia! No nosso caso temos tido sucesso assim…

Balling Light…tentar sempre manter os valores: Ca 400, Mg1250, Kh 8

Valores de Ca muitos elevados na ordem dos 500 geralmente provocam morte de alguns corais!! Na nossa experiência é sempre preferivel ter valores mais baixos do que valores muito altos de KH e Ca… Tivemos um episodio de descontrolo de Ca e KH que atingiram valores de 500 e tal e de 10 ou 11 que provocaram a morte de alguns SPS…Istoa conteceu a seguir a um episodio de AEFW que nos atacou as acroporas e assim dimuiu os consumos bruscamente…

TPAS, TPAS, TPAS….quantas mais melhor

Mas sempre com os parametros iguais aos que temos ou queremos manter no aquario, caso contrario desiquilibra-se a adicções de balling! Dai que a escolha de um sal que tenha os valores ideias de agua de um Reef seja imperativo!! Nós usamos neste momento o sal Red Sea normal! No passado, com a introduçao do novo sal da Red Sea Coral Pro que apresenta valores muito elevados de KH (12) e de Ca (480), a 1,025 provoco nos um desequilibrio de valores no aquario que levou a perda de varios corais!!! Entre 10-20% por semana é o que faço agora com bons resultados.

Aspirar areão e sump pelo menos 1 vez por mês

De facto o não aspirar do areão, seja ele de 1 ou 3/4cm, leva ao acumular de muitos detritos que não chegam a à sump e dessa maneira não são retirados nem pelo escumador, nem pelo filter-bag! Assim é essencial aspira-lo com pelo menos 1 vez por mes, em todas as areas que se conseguir. O aspirador da Hagen é de facto muito facil de usar e eficaz e pode-se mesmo ver a quantidade de sujidade que se acumula no areão quando se está a aspirar…

Alimentar LPS/SPS com comida natural e não suplementos

A utilização de suplementos na alimentação de corais deve ser evitadas pois muitos deles apesar de alimentarem bem têm o reverso da medalha que é aumentarem muito os niveis de nutrientes na água, como fosfatos e nitratos a níveis intoleráveis! Assim de acordo com a nossa experiência a alimentação dos LPS basta ser feita apenas 1 vez por semana, no periodo da noite do aquario, com um mix de comida congelada (cyclops, rotiferos, red plankton, artemia), em que previamente se tenha retirado o excesso de liquido que contem fosfatos dispensaveis! Os SPS acabam por se alimentar também dos restos desta sopa bem como dos detritos dos peixes e dos restos de comida dos peixes! A alimentação dos SPS pode quando muito ser completada com a adição de phytplanton vivo , mas com cuidado para não sobrecarregar o aquario de nutrientes!

Eficiente exportação de nutrientes (nitratos/fosfatos)

Muito importante a longo prazo…ao inicio as tpas e um bom escumador vão resolvendo o assunto, mas com o passar dos meses e acumulação de detritos, mesmo com limpezas, começa a não ser suficiente e daí ser uma desafio muito grande manter um aquário durante vários anos!! Na nossa experiência optamos por colocar macroalga Chamaetomorpha e mangues na sump para ajudar nesta remoçao de nutrientes mas mesmos assim com o passar do tempo vimos que não era suficiente, apesar de ajudar muito e ser uma grande almofada! Assim a utilização de bacterias e doseamento de carbono, quer sob a forma de vodka, vinagre, biopellets ou soluções comerciais parece ser uma das melhores opções para este fim… Qual das melhores…é dificil dizer! Nós usámos e estamos a usar neste momento uma solução comercial (Ultralife da Ocenalife…diria que será vodka/vinagre) que se tem revelado bastante eficaz na diminuição de nitratos e fosfatos com a adição de cerca de 8-11 gotas diarias!! Mas cuidado que o exagero nesta doseagem de carbono pode retirar demasiados nutrientes deixandos os corais “à fome”… corais pálidos, LPS mirrados e a morrer e anémonas stressadas…assim MUITA ATENÇÃO no doseamento….DEVAGAR e sempre a vigiar os valores de nitratos e fosfatos.

Ocellaris – Quadricolor

Ocelaris -Quadricolor

Aquario: 2 anos depois…. (parte 2)

Neste último ano foi um ano de altos e baixos estando neste momento o aquário a recuperar de uma carga orgânica excessiva entre outros desequilíbrios químicos que provocou baixas a nível dos SPS e que felizmente não afectou peixes, lps, zoanthus, ricordeas, etc

A nível de novos peixes neste momento o aquário está já na sua capacidade máxima e não vai entrar mais nenhum peixe porque já entraram os peixes que estavam previstos entrar. Comprei um UV de 36W e desde então ja entraram muitos peixes no aquário e nunca mais morreu nenhum peixe. Ou melhor morreram 2 peixes que saltaram fora do aquário porque tenho a água a 3cm do topo do vidro. Ao 1º peixe há uns 6 meses ok deixei passar (era um hepatus enorme ja com mais de 1 ano), há 3 semanas foi 1 Pyramid lindíssimo e grande que também saltou novamente. Na semana passada pus 1 regua de acrilico á volta do aquário que vai 4cm para dentro para evitar os saltos fora de aquário junto ao vidro que costumam ser 90% dos casos.

Como é possível observar ficou low profile não interferindo muito com a estética do aquário e espero que não volte a ter novos acidentes com esta protecção. Consegui fazer á medida solicitando a sua construção junto da CoralSea.

Para estrelizar a água e ajudar o escumador na sua função acabei por colocar um ozonizador TMC V2 O3 ozone que neste momento está ajustado para debitar 50mg de ozono durante 8h + 8h por dia ligado ao escumador. O ozonizador tem ligado um pedra de difusora de madeira onde ele puxa o ar e serve para secar o ar.

Notei uma grande melhoria a nível de:

  • Claridade da água que passou a estar mais límpida. Perde a tonalidade que por vezes costuma ter e torna-a transparente,
  • O escumador tira maior quantidade de resíduos assim que o ozonizador entra em função;
  • Subiu o nível de ORP da água;
  • Como a água ficou mais clara a luz penetra melhor no aquário e chega mais luz aos corais;

No geral estou muito satisfeito com a utilização do ozonizador e neste momento já é um equipamento que para mim se tornou indispensável. Aconselho vivamente ao seu uso desde que com as devidas precauções porque pode tornar-se perigoso para todo o aquário e até mesmo para os seres humanos se não for controlado. Até ao momento não tenho qualquer intenção de o desligar nem nunca tive qualquer acidente com ele o objectivo é continuar a funcionar no entanto faço questão de estar sobre olho para caso exista alguma eventualidade problemática.

Inícialmente nao tinha um controlador de ORP, mas com o receio que isso pudesse mais tarde gerar algum problema e por tar as escuras a nível de ORP, comprei um controlador de PH/ORP que mostra e controla estes 2 parametros. Este controlador é bastante famoso no ebay e acabei por escolher o modelo PH-803:

Permite igualmente ajustar o nível de PH e ORP a que queremos que ele desligue determinado equipamento. Por exemplo se puser o ORP nos 450mv em chegando a este valor ele desliga o ozonizador. Possui também líquidos para calibração do PH.

Finalmente acabei por trocar o velhinho Deltec APF600 por um Deltec TC 2560 externo num bom negócio que acabei por adequirir junto do Fragário do Norte:

Como é possível observar o tubo que desce do lado direito vai ligar ao ozonizador. No entanto existe um “T” para o escumador puxar ar normal e ar com O3(ozono).

O Deltec APF600  funcionou durante 2 anos ininterruptamente 24h dia 365 dias ano e nunca precisou do que quer que seja, ficou xeio de coralina por todos os lados (nem se via o plastico da bomba) mesmo no tubo central também e sempre a funcionar silencioso e perfeito. Sem dúvida uma máquina de guerra e espero que este novo Deltec não se fique atrás do APF600 nesse aspecto.

Até ao momento tem se comportado muito bem, é muito maior e tem uma escumação muito superior e ao ser externo permitiu-me coloca-lo fora do aquário de modo a libertar-me um grande espaço na Sump. A alimenta-lo está uma bomba Sycce Sycra Silent de 4000 l/h. Os escumadores externos também são mais fáceis de regular porque nao dependem da altura na água na sump e em caso de falha de electricidade não se desregulam. A desvantagem é que tem que usar uma bomba externa a alimentar o mesmo em vez de utilizar uma só bomba apesar que ao utilizar 2 bombas (1 a meter água e outra a gerar a espuma) permite uma escumação maior.

A troca para um escumador maior derivou do facto do aquário passado mais de 2 anos começar a ficar “velho”, isto é, toda a acumulação de detritos e toda a carga orgânica (sendo que tenho bastantes peixes) com o tempo vai aumentando e o APF600 ja não conseguia dar conta do recado. Quando o aquário é novo ou ha um restart nunca senti necessidade de mudar de escumador mas com o passar do tempo a coisa muda de figura. O facto de ter areia também não ajuda a este facto e de talvez não ter o layout ou circulação mais apropriada também influencia. Obviamente que quem não tem areia e a nível de layout tem uma coisa mais leve a acumulação de detritos passa a ser nula, mas isso são escolhas. Não ta previsto alterar o layout ou tirar toda a areia. No máximo retiraria alguma areia e tiraria 1 ou outra pedra para ficar mais light mas isso também não ia diminuir os factores de risco que falei portanto em princípio será para manter como está enquanto continuar a funcionar.

Se repararem nas fotos ainda existem algumas cianos ou algas mas que têm estado a perder gás com o passar do tempo. Neste momento vou deixar o escumador ajudado com o ozonizador a fazer o seu serviço e ver se não preciso tomar medidas mais drásticas (em principio não é só deixar seguir o barco). Em último caso terei que ver outra táctica para atacar a carga orgânica e o facto do aquário ir envelhecendo. (ideias?)

A meu ver quando um aquário é novo e está limpo é fácil manter um aquário de topo com SPS, LPS, peixes, etc mas quando os anos começam a passar manter um aquário de topo assim sem pelo meio tomar medidas drásticas torna-se extremamente complicado. (basta ver no fórum a quantidade de resets e desmontagens e posteriores montagens que existem de x em x tempo) Por medidas drásticas falo em tirar o areão todo fora ou tirar as rochas todas fora e lavar, alterar o layout totalmente, etc etc

Mantem-se o uso de Chaetomorpha e Mangues (que estão enormes) assim como de carvão activado que fica dentro do filterbag. Passei a colocar também uma resina anti fosfatos. Mantem-se também o balling com a 4ª bomba a adicionar Trace ellements da Koral Zuch a complementar o balling light.

UV + Ozono é bom porque por um lado deixa-me a agua esteril mas por outro lado mata-me as bactérias… é preciso tentar encontrar um equilíbrio que ainda ando a tentar encontrar porque tenho muitos peixes e meter o UV a 12h em vez de 24h deixa-me receoso que comece algum surto e me faça uma razia nos peixes.

Aqui fica agora uma foto da Sump:

O objectivo é colocar do lado esquerdo do aquário um móvel e colocar la dentro o escumador assim como a GHL com os liquidos de balling, assim como o ozonizador, controlador ORP, o controlador de temperatura de modo a libertar ainda mais a Sump e ficar só o UV meio ao pendurão do lado direito :p

Já chega de conversa, segue um video tirado do telemóvel ( HD 720p/1080p) assim como algumas fotos tiradas também com o telemóvel :p

Video aquário recife 2011

Olá, como ja muito tempo não colocava novidades aqui vão 2 vídeos tirados hoje.
A qualidade não é excepcional (filmado pelo telemóvel), mas nas opções do youtube tem versões HD (720p e 1080p)


Como é possível observar o aquário continua a ter praticamente os mesmo peixes. Mantêm-se também as anémonas, SPS e LPS.
Recentemente foi também adicionada um ozonizador que veio tornar a água mais cristalina, ajudar a eliminar alguns parasitas que possa haver na água e que ataquem os peixes, assim como ajudar o escumador a fazer o seu trabalho.

Balling Light – Custos

Após a análise feita no anterior artigo sobre o método de Balling Light decidi agora analisar uma outra variável que é o custo de manutenção deste sistema. Esta variável é importante para tentar perceber se este método tem ou não custos elevados a longo prazo e se realmente vale a pena investir nele.

Antes de mais existem alguns pressupostos para os cálculos que vão ser feitos, sendo eles:

  1. Os preços para os sais e trace elements tiveram como referencia os praticados no site da Coral-Garden;
  2. As soluções de Balling seguem à risca o standart indicado no manual da Fauna Marin;
  3. Para poder efectuar o custo real diário tive por base os meus consumos actuais (03-10-2010) no meu aquário, no entanto tal como foi possível verificar no artigo anterior os consumos vão variando ao longo do tempo e depende de aquário para aquário. No entanto considero os meus consumos actuais bastante elevados tendo em conta que o aquário está lotado dos mais variados corais e portanto é um número acima da média;

Assim sendo e tendo em atenção o que foi indicado anteriormente começamos por calcular qual o preço por Kg de cada um dos sais e depois temos que ter em atenção que segundo a formula da Fauna marin por exemplo 2Kg de Ca originam 5L de solução. Temos também que ter em atenção que se comprarmos sacos de maiores quantidades existem descontos e o preço por quilograma desce.

De seguida temos exactamente a mesma lógica mas desta vez para os trace elements. No entanto desta vez vamos ter o preço por Litro ou Mililitro (abreviado para militro na tabela) e novamente a respectiva dosagem. Atenção novamente que temos embalagens de 250ml ou 500ml com desconto na embalagem maior.

Agora que temos os custos todos calculados e sabemos a formula da Fauna Marin para as soluções vamos calcular os custos totais em euros que vamos ter mensalmente com os sais tendo em conta os consumos actuais que estou a ter (23-10-2010) e novamente ter em conta que existem sacos de 5Kg e 25Kg com preços diferentes.

Assim podemos ver que para consumos de:

  • Ca = 72 ml por dia
  • Mg = 38 ml por dia
  • Kh = 240 ml/dia

No final do mês gastamos algo entre os 6,04€ e os 7,31€ em Ca, Mg e Kh dependendo sempre claro se comprámos sacos de 5Kg ou 25Kg.

Agora temos que fazer as contas mas para os trace elements. Aqui existe um pormenor a ter em atenção. O consumo dos trace elements está directamente ligada ao consumo de Ca e Mg no aquário, consequentemente temos que relacionar o consumo dos trace com os destes 2 elementos.

Chegamos assim à conclusão que por mês gastamos cerca de 0,81€ a 1,09€ em trace elements dependendo se utilizamos garrafas de 250ml ou 500ml. Novamente e para relembrar tudo isto incide nos consumos que estou a ter actualmente no aquário.

Finalmente e sabendo já todos os custos mensais que estou a ter quer em trace elements, quer nos sais para o Balling falta a tão esperada tabela final:

Chegamos finalmente à conclusão que actualmente e se estes consumos se mantiverem por 30 dias gasto algo entro os 8,4€ e os 6,85€. Se estes consumos se mantivessem durante 12 meses isso iria então significar que ia gastar algo entre os 82,2€ e os 100,8€. Novamente ter em atenção que os custos estão relacionados com as quantidades que compramos, isto é, se compramos embalagens maiores o preço por Kg/ml cai.

Espero que estes pequenos cálculos dêem uma ideia daquilo que esperar em termos de custos de manter um destes sistemas a longo prazo. A meu ver são custos muito aceitáveis que estão em linha com muitos sistemas paralelos/rivais a este. É aqui necessário ter em atenção que o aquário não é propriamente de corais moles e também não está propriamente vazio, portanto é natural que haja consumos bastante elevados de Ca, Kh e Mg e se nos lhe fornecermos mais os corais crescem e quanto mais crescem maior o consumo sobe.

Por exemplo um método como o do Kalk que certamente é mais barato que o método de Balling nunca iria ter capacidade para fornecer a quantidade necessária de sais para todos os corais.

É necessário ter igualmente em atenção que este é um método completo, isto é, para além disto so existem as TPA’s. Muitos outros métodos (reactores de cálcio) conseguem fornecer cálcio de forma bastante competitiva e a um custo controlado mas nunca são um método tão completo como este, porque mesmo utilizando mideas avançadas essas nunca poderiam adicionar trace elements por exemplo, tendo que adquirir esses mesmos produtos à parte em outras marcas comerciais.

Nesses mesmos reactores de métodos concorrentes o que acaba por acontecer muitas vezes é o seguinte:

  • Necessidade de ter uma botija de Co2 para dissolver a mídea. Com isso vêm custos com o Co2, o sistema de injecção e um medidor de PH permanente porque o CO2 acidifica a água e portanto existe a necessidade de controlar muito de perto este parâmetro de forma constante (sem falar numa fuga de Co2 com quebras de PH e desenvolvimento de algas);
  • Nunca se consegue obter o mix na midea dentro do reactor perfeito, porque cada aquário é uma aquário e cada caso é um caso. Isto significa que muitas vezes um valor acaba por ficar em défice e outro em excesso porque não é possível de forma individual e independente controlar o Ca, Kh e Mg como é possível no balling. Um aquário de recife é um sistema complexo. Na minha experiência de 6 meses o KH foi subindo de forma tremenda, mas já o Mg subiu bastante ao início mas depois acabou por cais imenso, isto é, nada é linear tudo vai variando de semana para semana e o único método que consegue acompanhar essas varações de forma individual e independente é o método de balling.
  • Finalmente e mais uma vez este método de balling é completo porque fornece todos os elementos necessários para o desenvolvimento dos corais, ao contrário dos outros métodos que so suprimem parte dessas necessidades, tendo que ser complementados com outras formas de adição.

Espero que este artigo ajude a complementar o artigo anterior e desta forma se tenha uma visão a 360 graus de todo o sistema desde como se faz, como se aplica até ao quanto custa.

Finalmente deixo umas fotografias actuais do aquário para se tentar perceber a carga a nível de corais e seus consumos: